COMO PODE ALGUÉM QUE ME MAGOA, SER UM MESTRE PARA MIM?

Na verdade somos todos mestres uns dos outros, isto é, aprendemos permanentemente uns com os outros.
Nem sempre os outros têm consciência que estão a ajudar-nos no nosso aprendizado e vice-versa.
Muitas vezes, as outras pessoas dizem-nos palavras e fazem coisas, com o intuito expresso de nos magoar, e não têm obviamente a mínima consciência de que nos poderão estar a ajudar.
No entanto, e uma vez que nada acontece por acaso, e somos espelhos uns dos outros, quando atraímos alguém que nos magoa, significa que essa pessoa tocou-nos naquilo que vulgarmente chamamos de "ponto fraco".
Isto é: aquilo que o outro diz sobre nós com intuito prejurativo não é necessariamente verdade, mas corresponde à nossa crença sobre nós próprios.
Por exemplo: quando temos uma grande ferida de rejeição, atraímos recorrentemente pessoas e situações que nos fazem tocar - sentir - essa ferida, apenas para percepcionarmos as nossas feridas emocionais, das quais nos necessitamos libertar, com um intuíto evolutivo.
Quando percebermos isso - percebermos que não atraímos ninguém na nossa vida por acaso, e que nos atraímos, para espelhar as feridas emocionais mútuas e ajudarmo-nos mutuamente a superá-las - então aí podemos dizer que estamos a ser mestres ou professores uns dos outros, na medida em que percepcionamos o que a vida nos está a pedir em cada momento em termos de trabalho emocional.
Caso contrário, quando não percebemos a lógica da vida, a tendência da generalidade das pessoas é limitar-se a vitimizar-se, a ficar revoltada, ressentida com o outro, porque o outro é "injusto" e lhe fez "mal".
E neste caso, não se pode dizer que o outro está a ser mestre ou professor (mesmo que inconscientemente), apenas que estamos a desperdiçar oportunidades evolutivas e não estamos a saber interpretar os sinais e os desafios em termos evolutivos que a vida nos está a colocar a cada momento em termos relacionais e emocionais.

Por isso: Sim! Se você percepcionar as lições, a pessoa que o magoou , pode ser um mestre/professor para si, e vice-versa: e você acaba por ser um professor para ela, por exemplo: ao incentivá-la (mesmo que inconscientemente) a expressar as suas emoções e deixar de as reprimir tanto.
Nada é por acaso. Quando vocês combinaram reencontrar-se, sabiam quais os desafios emocionais de cada um para esta vida, e de que modo se poderiam ajudar mutuamente com o intuíto evolutivo.
E obviamente, que tocarmos nas feridas uns dos outros, não é uma experiência agradável, mas se percebermos a lógica da vida, cada vez que acontece (e é cíclico até percebermos) é mais uma oportunidade que a vida nos dá para superarmos mais uma insegurança, medo, trauma, etc...